netGIAE

Provas Finais, Exames Nacionais

Cursos Profissionais

 

 

 Oito quadros didáticos de Biologia / Zoologia, do início do século XX, estiveram expostos na Escola Secundária Nuno Álvares (entre 26 de abril e 17 de maio), na Escola EB123 Faria de Vasconcelos (entre 22 e 28 de maio) e na Escola EB123 Cidade Castelo Branco (entre 31 de maio e 7 de junho). Foi feito o possível para fazer coincidir o período de exposição na Esc. Sec. Nuno Álvares com o Encontro de alunos que frequentavam o liceu em 25 de abril de 1974, encontro que decorreu a 27 de abril, e o 78.º aniversário da inauguração do edifício atual, a 2 de maio.

A exposição, com o título “Quadros didáticos de Paul Pfurtscheller – A ilustração científica nas aulas de zoologia no início do séc. XX”, permitiu mostrar, a alunos e comunidade escolar, 8 dos 29 quadros de uma coleção de quadros didáticos, ou quadros parietais (de pendurar na parede) desenhados pelo professor, e ilustrador, austríaco P. Pfurtscheller, entre 1902 e 1926/7.

Num período sem equipamentos de projeção de imagem nem recursos digitais hoje comuns, os quadros parietais constituíram um recurso de ensino muito utilizado, desde o último quartel do séc. XIX, até ao final da primeira metade do século XX. Os quadros parietais de Pfurtscheller destacavam-se pelo seu tamanho (1,40m de altura e 1,30m de largura), permitindo que os muitos alunos pudessem ver o seu conteúdo à distância, de qualquer ponto da sala, bem como pela sua qualidade de impressão, qualidade do desenho científico e da representação pedagógica da anatomia e fisiologia animal. Estas características deram-lhes uma posição de destaque como material didático no ensino da História Natural, tendo sido comercializados e utilizados em muitos países, quer em escolas do ensino secundário quer em universidades, durante a primeira metade do século XX.

Foi objetivo principal dos dinamizadores da exposição a divulgação do espólio museológico, menos conhecido, do antigo liceu de Castelo Branco, e a divulgação do Museu de História Natural professor Félix José da Silva, da Escola Secundária Nuno Álvares.