No dia 25 de outubro, no âmbito das comemorações do2017.10.25 Boa-Esperanca-teatro Mariana-Num-Mundo-Igual Dia Municipal para a Igualdade, os alunos da Escola Básica da Boa Esperança, a convite da Associação Amato Lusitano, assistiram no Cine- Teatro Avenida, à apresentação do Projeto Pedagógico "Mariana Num Mundo Igual", projeto desenvolvido pela empresa Betweien, em parceria com a atriz e apresentadora Mariana Monteiro e "Champion da Igualdade de Género pela Nações Unidas".

Esta actividade incluiu a apresentação de uma peça de teatro, com a dramatização do livro infantil " Mariana Num Mundo Igual", alertando de forma didática e interativa, a necessidade de promover a igualdade de género, assim como combater a discriminação no contexto educativo.

Os alunos participaram com entusiasmo nesta iniciativa e deram o seu contributo questionando a atriz e apresentadora Mariana Monteiro.

Museu Cargaleiro

 

Os alunos do 1º,2º e 3º ano da escola da Boa Esperança deslocaram-se, no mês de junho ao Museu Cargaleiro para conhecerem a obra de Manuel Cargaleiro.

A visita foi guiada para que os participantes tomassem contacto os magníficos exemplares de artes plásticas do artista beirão. A porta da vizinha que não conhecia, é a obra que espera os visitantes à entrada e retrata as freguesias do concelho de Castelo Branco. A coleção de cerâmica não deixou os alunos indiferentes e a pintura de azulejo no ateliê do museu suscitou adesão dos alunos pelo apelo ao sentido criativo.

Mais um Dia da Criança sempre com a01.06 Dia da Criança web vontade de fazer algo de diferente: neste ano os alunos da EB Boa Esperança realizaram as suas atividades de Expressão Plástica e de Expressão Físico-Motora, mas contaram com uma surpresa especial: todos os elementos da comunidade educativa estiveram empenhados na preparação de arroz-doce de chocolate.

Os alunos trouxeram a sua tacinha individual para que este dia ficasse marcado pela doçura das palavras e do gesto que esteve na origem da confeção desta peculiar sobremesa.

Alegria, vivacidade e muito sabor foi dedicado ao "melhor do mundo": as crianças.

Os alunos de 4.º ano da EB Boa Esperança 27.05 Os nossos avós eram cientistas webestiveram presentes na Escola Superior Agrária, no pretérito dia 27 de maio, para receberem o prémio referente ao 2.º lugar do concurso/ categoria turma: "Os nossos avós eram cientistas".

O concurso é uma iniciativa do Centro Ciência Tradição e Cultura, coordenado pelas docentes da Escola Superior de Educação Dr.ª Helena Tomás, Dr.ª Margarida Afonso e Dr.ª Paula Peres que pretendem recuperar tradições, enquadrando-as no mundo da ciência e da criatividade.

Assim, os alunos conceberam a história Dona Sementinha Linácea que pretende dar a conhecer aos leitores os "mil trabalhos" por que passa a planta do linho. O ofício de outrora surge bem explicado num cenário ficcionado que todos os alunos de 4.º ano da EB Boa Esperança ajudaram a construir.

A canção foi composta pela turma e serve de apoio ao texto, sendo mais um recurso ao serviço do conhecimento dos costumes de outrora. Numa melodia fácil de aprender, resume-se a história que fala do que se não ouve falar todos os dias: a cultura do linho.

Quem não gosta de uma história de rainhas? Quem não gosta de uma fada com poderes mágicos? Quem não gosta de um final feliz?

Fica o convite à leitura e a felicitação aos premiados: Parabéns!

O dia 19 de maio ficou mais alegre para os alunos 19.05 Festa da primaverado 1º Ciclo e Jardim de Infância da Boa Esperança. A atividade destinou-se a promover o encontro entre os dois ciclos de aprendizagem e traduziram-se num conjunto de atividades de expressões artísticas e físicas levadas a efeito na EB1 da Boa Esperança.

A iniciativa intitulou-se, "Festa da primavera" e contou com a participação de mais de cem crianças. Os petizes foram recebidos com canções de boas vindas "Rainha Dona Sementinha Linácea" e "Curte Iogurte", e os mais velhos tiveram a oportunidade de acompanhar os mais pequenos nas atividades para que nada faltasse.

Nesse dia, houve momentos destinados à atividade física e desportiva, jogos coletivos, bem como à construção de maracas, desenhos coletivos feitos com recortes, colagem e pintura, e ofereceram-se lembranças.